história do Cristianismo

  • HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    TOMMASO PALAMIDESSI

    HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    Trigésimo Quinto Caderno

  • UTILIDADE DE UMA HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    O homem – dotado de inteligência e espirito de liberdade – tem sede de verdade. Duas aspirações semelhantes elevam a alma humana sobre as miragens da natureza: a necessidade imperiosa de imortalidade e de verdadeou perfeição ética. A vida imortal é um grande mal se ao mesmo tempo não se tornar digna da imortalidadealcançando todas as verdades. A imortalidade sem a perfeição equivaleria a um eterno tormento e, também, a perfeição sem imortalidade seria um irónico insulto e uma absurda injustiça.
  • A COMUNIDADE CRISTÃ DE ALEXANDRIA

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    São Marcos Evangelista, enviado por São Pedro, fundou a Igreja Cristã de Alexandria no Egito, onde morreu mártire em 25 de Abril talvez no oitavo ano de Nero (62): “preso com cordas e arrastado nas pedras, foi gravemente atormentado, e depois fechado na prisão” (Martirológio Romano), onde expirou pela fé.
  • A ECLÉSIA NASCENTE E A AÇÃO DOS APÓSTOLOS

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    Depois da Ascensão os Apóstolos, com Maria mãe de Jesus, reúnem-se no Cenáculo e começam as orações à espera do Espirito Santo. Pedro, chefe dos Apóstolos, procede à eleição de Matias, sucessor de Judas Iscariotes. No dia de Pentecostes desce sobre os Apóstolos o Espirito Santo, enquanto se encontravam em contemplação mística no Cenáculo. Este grupo da Igreja nascente que assistia à predicação de Pedro, levou ao batismo 3000 pessoas.

  • A IGREJA DOS PRIMEIROS TRÊS SÉCULOS

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    A história da Igreja cristãiniciou-se com a primeira festa judaica de Pentecostes, quando o Espirito Santo desceu sobre os Apóstolos e os tornou verdadeiramente capazes de pregar e de propagar o Reino de Deus, ou seja de realizar a sua missão. Naquele dia, depois do discurso de Pedro, três mil pessoas foram batizadas: criou-se assim a primeira comunidade cristã de Jerusalém.

    À cabeça desta primitiva Igreja, foi colocado o bispo Santiago Menor, o “irmão do Senhor”. O apóstolo Paulo, com Pedroe João, era juntamente com Santiago uma das “colunas da Igreja” (Gálatas, 2:9).

  • O Cristianismo Primitivo

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    Jesus tinha chegado para dar regras de vida ascética para serem praticadas imediatamente para apagar a sede de viver segundo a carne e acender a sede de vida eterna, abençoada e iluminada com Ele e no Pai. Ordenou ensinar esta regra de vida a todos os povos da Terra. Era inútil procurar a sabedoria de maneira diferente, por isso o Cristianismo primitivo foi muito simples, evangélico, ou seja limitado a enunciar o facto da redenção oferecida pelo sacrifício do Messias, sem ter alguma fórmula de fé bem esquematizada.

  • OS APOLOGISTAS GREGOS

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    Os grandes apologistas cristãos entram em cena no segundo século. Entre estes destaca-se Justino de Nablus, nativo de Flávia Neápolis (a atual Nablus) na Palestina (100-166). Defendeu a nova doutrina quer fosse contra os Judeus e os Gentios, quer contra os heréticos, afirmando que também os filósofos e os poetas gregos receberam uma revelação e tiveram um conhecimento parcial da verdade. Justino foi autor de duas Apologias.

  • AS ESCOLAS CRISTÃS DE CATEQUESES EM ALEXANDRIA E CESAREIA MARÍTIMA

    T. Palamidessi HISTÓRIA DO CRISTIANISMO ESOTÉRICO

    A grande cidade egípcia já no III século antes de Cristo era um importante centro de estudos filosóficos, astronómicos, religiosos e linguísticos. Alexandria foi fundada por Alexandre o Grande em 328 a.C., no distrito de Rhakotis, numa zona de terra fértil e fresca situada entre o Mediterrâneo e o lago de Mareotis, a Norte-Oeste do Delta do Nilo. Mesmo em frente há a ilha de Pharos. Seria demasiado longo fazer a história cultural de Alexandria, portanto limitar-nos-emos a algumas pequenas noções. Personagens políticas de várias épocas enriqueceram a cidade de bibliotecas, laboratórios, museus, pondo a trabalhar cientistas famosos. Contribuíram para o esplendor intelectual, além de Alexandre o Grande, também Ptolomeu I Sóter(323-286 a.C.),Ptolomeu II Filadelfo (285-247 a.C.) e também Marco António, que para agradar Cleópatra enriqueceu a pequena biblioteca do Serapeu com 200.000 pergaminhos, subtraídos à biblioteca de Pérgamo.

  • COMENTÁRIO ESOTÉRICO AOS QUATRO EVANGELHOS

    TOMMASO PALAMIDESSI

    COMENTÁRIO ESOTÉRICO AOS QUATRO EVANGELHOS

    Exegese Arqueosófica A Mateus, Marcos,Lucas e João

    Caderno 36

  • O GRANDE ARCANO DOS QUATRO EVANGELHOS SEGUNDO MATEUS,MARCUS,LUCAS E JOÃO.

    T. Palamidessi COMENTÁRIO ESOTÉRICO AOS QUATRO EVANGELHOS

    Evangelho, ou Vangelo, em grego quer dizer “boa notícia” porque anuncia a todos a possibilidade de salvar-se espiritualmente com a ajuda de Cristo, o Filho de Deus incarnado no Homem Jesus: aquele Messias anunciado pelos profetas do Antigo Testamento, tais como Moisés, Daniel, Isaias, Elias e João o Baptista, que tinham preparado a estrada ao Advento. 

  • O GRANDE ARCANO DOS QUATRO EVANGELHOS

    T. Palamidessi COMENTÁRIO ESOTÉRICO AOS QUATRO EVANGELHOS

    Da leitura e estudo dos passos reportados neste fascículo, entenderão que o grande arcano dos Evangelhosconsiste nas artes subtis dos quatro Iniciados no expor á vida terrena e sobrenatural de Jesus, do nascimento á crucificação, com tantos e tantos episódios ( curas milagrosas, viagens missionárias, transmutação da água em vinho, multiplicação dos pães e dos peixes, ressurreição da tumba, etc.) que são simultaneamente factos históricos, ensinamentos morais, chaves de teologia ascética e mística, soluções de Alta Iniciação

Contacta-nos

Para entrar em contato com Arqueosófica, por questões relativas à atividades ou ao material da escola, pode deixar uma mensagem aqui. Adere á Arqueosófica e difundam a Arqueosofia para a salvação daquilo que na actual sociedade mundial é ainda possível salvar.